Veterinário dá dicas para escolher a melhor ração para seu cachorro


Uma ração deve atender as necessidades nutricionais básicas, e praticamente todas as rações disponíveis fazem isso, mas não com a mesma qualidade. Além disso, é importante salientar que nem todo cachorro possui as mesmas necessidades nutricionais.


Em um mundo ideal, todas as comidas criadas para os cães seriam iguais. Porém, no mundo real, os tutores têm em mãos uma infinidade de opções que se dizem as melhores disponíveis no mercado.

O tempo gasto escolhendo entre a ração mais saudável, barata e apetitosa é bem frustrante. Pensando nisso, o médico veterinário Felipe Arnaud listou algumas dicas para facilitar sua escolha.



Como sei que uma ração é boa?


“No Brasil, temos um conceito formado que alimento para cães é ração seca. Raramente alguém alimenta seu melhor amigo com ração úmida enlatada. No geral as marcas têm que se atentar a um processo de qualidade e balancear sua fórmula de acordo com as qualidades exigidas pela espécie”, explica Arnaud.

O veterinário utiliza o termo espécie porque cachorros não são carnívoros obrigatórios como gatos. Isso significa que, além da carne, eles conseguem extrair nutrientes de fontes como grãos, frutas e vegetais, e podem ser fontes bastante valiosas de vitaminas minerais e fibras.


“Uma boa ração com certeza deve conter carne, frutas, grãos e vegetais, a diferença vai ser na qualidade dessas matérias primas. Isso quer dizer que quanto melhor a fonte, melhor a ração e melhor será digerida pelo trato gastrointestinal do animal”, ensina o especialista.



Nutrição de cachorros


Uma ração deve atender as necessidades nutricionais básicas, e praticamente todas as rações disponíveis fazem isso, mas não com a mesma qualidade. Além disso, é importante salientar que nem todo cachorro possui as mesmas necessidades nutricionais.


Segundo Felipe Arnaud, durante a vida de um cachorro, ele passa por fases com diferentes especificidades nutricionais. “Um cachorro adulto com certeza é diferente de um idoso que é diferente de um filhote, e esse é o primeiro ponto na decisão de compra de um alimente”. De acordo com estudos publicados na Merck Veterinary Manual, a necessidade diária de um cachorro adulto saudável é de no mínimo 2.62 gramas de proteína de alto valor biológico por kg de peso metabólico ajustado a sua taxa metabólica basal. Já um filhote necessita de 9.7g a 12.5 gramas de proteína de alto valor biológico por kg de peso metabólico ajustado a sua taxa metabólica basal. “É complicado né? Mas pode ter certeza que na embalagem da ração terá todas as instruções do fabricante que já fez esses cálculos e te indica a quantidade correta que deverá ser dada ao animal”, explica o veterinário.



Mitos e desinformações sobre ração para cães


“Na internet não é difícil encontrar vários mitos e inverdades sobre o tema, o único segredo para se livrar disso é checar as fontes”, alerta Arnaud. Ele, que mantém um blog especializado em dicas do mundo pet, diz que o seu o objetivo é sempre manter a informação científica de qualidade e de fácil acesso.

Segundo Arnaud, muitas pessoas se questionam sobre rações com grãos e sem grãos ou rações que contenham subprodutos de origem animal. Neste caso, tudo vai depender do estado nutricional e da saúde geral do seu cão.


O veterinário explica que algumas doenças como a hipersensibilidade alimentar ou em caso de dietas de exclusão para diagnóstico de atopia precisam de rações hipoalergênicas que não contenham grãos, ou que contenham proteínas que são inéditas para o sistema imunológico do seu animal. Além disso, existem outras rações terapêuticas específicas para problemas urinários, machos castrados entre outras.


“Rações com subprodutos de origem animal como órgãos, vísceras e outros, são de qualidade inferior às feitas com proteínas musculares, mas isso não as torna ruins. Também são boas fontes de proteína desde que seja especificado que subprodutos são esses. Sempre converse com um veterinário acerca da alimentação e da composição da ração que você dá ao seu cachorro”, conta Arnaud.



Como ler a embalagem da ração


Para o especialista, o nome do produto é o primeiro indício da qualidade da ração.


“Já ouviu falar que os olhos são o espelho da alma? O nome são os olhos e lá você consegue tirar muita informação a respeito da ração. Existem alguns regulamentos sobre a quantidade de carne que o produto deva conter com relação a propaganda que ele faz, lembre-se sempre que “Com carne” e “Sabor carne” já te indicam a inferioridade de um produto”, conta.

Em relação aos ingredientes, o veterinário lembra que existe uma regra que nutricionistas usam.


“Quanto menor a lista melhor. E quanto mais você souber o que significa cada nome ali melhor. Procure entender as fontes de carboidratos, de proteína e de gordura que aquela ração se origina pela lista de ingredientes usados na fabricação dela. Na dúvida, sempre entre em contato com o fabricante, uma empresa séria sempre vai te entregar as informações necessárias para você sair satisfeito e permanecer um cliente”, aconselha Arnaud.



Melhores rações para raças de grande porte e pequeno porte


O tamanho das raças importa pra sua exigência nutricional. Um cachorro grande tem mais chances de ter problemas de ordem musculoesquelética do que uma raça de pequeno porte. Sendo assim, precisam de alimentos que tenham um balanceamento diferente dos nutrientes, principalmente quando filhotes, segundo o médico veterinário.


Já as raças de pequeno porte, podem inclusive se engasgar se os grãos da ração forem grandes demais e também tem suas próprias necessidades nutricionais.

“Pergunte ao seu veterinário qual é a melhor ração disponível pro seu cachorro especificamente para raça dele”, diz Arnaud.



Melhor ração para cães filhotes


O veterinário lembra destaca que durante a vida de um cachorro ele tem diferenças nas suas exigências nutricionais. Segundo ele, é durante a fase de filhote onde mais será exigido dele, principalmente se ele for de uma raça com porte maior.


“É sempre necessário durante o crescimento uma monitoração para prevenir um problema articular e ósseo. Portanto, escolha uma ração para filhotes de uma boa marca e leia os ingredientes. Nessa fase ele exige uma excelente fonte de proteínas com alto valor biológico”, ensina o especialista.



Ração seca para cachorro, entendendo melhor como funciona


Esse é o produto mais disponível como alimento pra cachorro no mercado brasileiro, por ser fácil e prático, e não precisar ser armazenado em geladeiras.


“Com certeza essa é a maior vantagem em comparação à outros tipos de alimentação como as rações úmidas e alimentação natural, que ainda possui a desvantagem de ter que ser manufaturada”, explica o veterinário.


As rações secas, são feitas de forma que a digestão dos nutrientes contidos nela seja fácil ao trato digestivo do seu cachorro, e devem passar por um processo que destrói toxinas e contaminantes na fábrica.



Ração úmida para cachorro


“Uma ração úmida é aquelas que geralmente vem em latinhas, são bem mais caras porém em alguns casos podem ser bastante úteis, principalmente quando seu cachorro tem um paladar muito exigente”, explica o veterinário.


Ele recomenda misturar um pouco de ração úmida na ração seca para torná-la mais apetitosa e palatável e com isso atender os anseios do cachorro.


“Lembre-se sempre de armazenar as latinhas na geladeira, elas perdem fácil pela grande quantidade de umidade. Essa dica pode ser válida para caso seu cãozinho não esteja comendo quando estiver doente. Vale a tentativa e não esqueça de levá-lo ao médico veterinário o quanto antes.”


O veterinário recomenda misturar um pouco de ração úmida na ração seca para torná-la mais apetitosa. Foto: Divulgação



Quanta ração devo dar ao meu cão?


A obesidade em cães também está se tornando um problema, principalmente pelo hábito das pessoas em deixar comida livre aos seus animais. Segundo Arnaud, seu cachorro precisa comer em refeições.


“Já falei que na embalagem das rações vem a quantidade indicada para seu animal. Então geralmente a quantidade indicada vêm ao dia. Se é indicado 200 gramas ao dia por exemplo, dê 100 gramas de manhã quando você tomar café da manhã, e 100 gramas a noite quando você jantar”, recomenda.


“Esse é um exemplo. Um veterinário irá te oferecer o melhor plano nutricional pro seu cachorrinho. Mas jamais deixe uma grande quantidade de comida pro seu cachorro, esse é um descuido que pode gerar problemas de obesidade e essa ração ali pode sofrer contaminação por diversas fontes. Assista o seu cachorro comer, crie um planejamento para alimentá-lo junto as suas refeições”.


Dessa forma você cria um hábito saudável onde pode perceber a ingestão de comida diária dele e o apetite e essas informações são valiosíssimas para um veterinário poder diagnosticá-lo com clareza.



Alimentação natural para cães


Para o veterinário, a alimentação natural é uma excelente opção. Contudo, é necessário um especialista em nutrição animal que irá fornecer uma dieta caseira para o seu pet.


“Uma dieta que atenda todas as exigências nutricionais dele e que não contenham alimentos que sejam intoxicantes. Nem todos os alimentos que comemos seus dogs podem comer, inclusive pode o deixar doente ou matar”, conclui.